Poluição: O lado negro da moda

[artigo em desenvolvimento]

A Indústria da moda é, hoje em dia, uma das maiores fontes de poluição do mundo. Segundo alguns autores é o segundo maior poluidor a seguir ao petróleo. A produção de tecidos, fibras e vestuário usados nesta indústria contribuem com diferentes formas de poluição, incluindo água, ar e sólo.

Há no entanto soluções. O primeiro passo é informar.

No ar, na água e em terra

Ao nível do ar esta indústria contribui com cerca de 10% da pegada de carbono na atmosfera. Como exemplo temos o transporte das peças de roupa, de países longinquos onde a mão de obra é mais económica.

Trata-se também do segundo maior poluidor de água doce no mundo. Os processos para tingir a roupa são também extremamente exigentes ao nível de água. A decomposição de fibras sintéticas gera microplástico que entram na cadeia alimentar humana através do consumo de pescado. As fibras naturais também não são inocentes. Requerem uma quantidade enorme de sólo, água e pesticidas. O algodão, por exemplo, é considerada uma das culturas mais “sujas”, consumindo certca de 16% dos pesticidas utlizados a nivel mundial.

Cada vez usamos mais roupa

Para estes estado contribuem os ciclos de utilização da roupa cada vez mais curtos. As peças tornaram-se quase descartáveis, o que leva a um aumento exponencial de produção e consumo, com o consequente aumento da necessidade de produção de fibras sintéticas e naturais.

A produção de roupa duplicou desde o ano 2000. Em média cada pessoa comprava mais 60% de roupa em 2016 do que comprava em 2000.

Here are five easy things you can do to clean up your fashion carbon footprint

Shop sparingly, rent responsibly and wash wisely. 📖 Read more: https://wef.ch/2GWnZNK

Posted by World Economic Forum on Monday, May 27, 2019